Título: As construções e desconstruções do Ponto de Cem Réis na cidade de João Pessoa – PB

Autores: Bruna Ramalho Sarmento, Iara Batista da Cunha, Maria Berthilde Moura Filha, Maria Helena de Andrade Azevedo

Categoria: Artigo

Palavras-chave: Ponto de Cem Reis, intervenção urbana, lugar, memória, João Pessoa.

Resumo: Situado no entorno da Igreja do Rosário dos Pretos, o Ponto de Cem Reis era a parada final das linhas de bonde que circulavam na cidade da Parahyba. Essa igreja, portanto, era um marco referencial para a população que diariamente circulava pelo centro da cidade. Nos anos 1920, iniciou-se o seu processo de demolição como também de parte do casario do seu entorno a fim de se criar a Praça Vidal de Negreiros. Amplo e regular, esse novo largo, que popularmente passou a ser chamado de Ponto de Cem Reis, era destinado a funcionar como um terminal para os bondes elétricos. Três outras grandes reformas ainda foram implementadas na praça – em 1951, em 1970 e em 2009. Em cada uma delas, marcos referenciais da paisagem construída foram erradicados ou modificados, desconstruindo a praça enquanto ambiencia e enquanto lugar de memória . Nosso objetivo nesse artigo é questionar a preservação do patrimônio arquitetônico e urbanístico entendido não apenas enquanto estrutura física edificada, mas como referência para construção da memória coletiva de grupos sociais.

Origem: Acervo do Laboratório de Pesquisa Projeto e Memória (Anais do I Seminário Internacional URBICENTROS)

Data: 02/06/2010

Anúncios