Título: Diretrizes urbanísticas e construtivas para cidades de clima semiárido: Estudo de Caso na Cidade de Monteiro.

Autor: Mariana Brito de Lima

Orientador: Dr. Edson Leite Ribeiro

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Clima urbano, análise bioclimática, semi-árido, cidades de pequeno porte.

Resumo: Adequar o urbanismo e a arquitetura ao clima de um determinado local significa construir espaços que possibilitem ao homem condições de conforto. O clima quente e seco, por apresentar maiores adversidades quanto ao conforto higrotérmico do ambiente, implica uma necessidade maior de criação de microclimas e, portanto, adaptações urbanísticas e construtivas que amenizem e atendam o ser humano no que diz respeito ao conforto ambiental. Realizar um estudo sobre o clima urbano de uma região é essencial para a compreensão dos problemas ambientais resultantes da urbanização desta região. A definição do objeto de estudo desta pesquisa se inscreve neste contexto de interação entre fenômenos da urbanização e o clima das cidades, especificamente a cidade de Monteiro, localizada em uma região de clima semi-árido, no Estado da Paraíba. Portanto, a questão que se coloca como problema é a de como elaborar o planejamento urbano e arquitetônico em cidades de clima semi-árido, que atendam as necessidades do conforto ambiental para o ser humano. No intuito de responder essa questão foi realizada uma pesquisa de campo na cidade, utilizando cinco estações climatológicas portáteis distribuídas em regiões distintas da cidade, as quais mediram a velocidade e direção dos ventos, temperatura e umidade relativa do ar, durante o mês de novembro, mês historicamente considerado o mais quente do ano. Os dados climáticos e as variáveis ambientais da cidade, tais como uso do solo, densidade, arborização, orientação das vias, entre outras, foram estudadas seguindo a metodologia proposta por Monteiro (1976) e Bustos Romero (2001). Na primeira fase do estudo são apresentados os dados climáticos de cada ponto de medição comparando o seu comportamento externo e interno, no intuito de compreender de que forma a edificação e seu entorno contribuem para a amenização das variáveis climáticas internas em cada edificação. A segunda fase analisa comparativamente os dados de todos os pontos em relação aos dados climáticos da estação agrometeorólogica mais

próxima, localizada no município vizinho, Sertânia/PE. Após analisar as configurações do clima urbano estudado e correlacionar os problemas que podem ter influenciado o clima em cada ponto de estudo, são indicadas diretrizes urbanísticas e construtivas, de forma a auxiliar na melhoria do conforto ambiental na cidade de Monteiro/PB.

Origem: UFPB – Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental (PPGEUA)

Acesso pela nossa equipe em: 16/12/2009

Anúncios