Título: Contribuições para a sustentabilidade da paisagem: percepção ambiental no loteamento popular Bom Fim, São Leopoldo – RS

Autores: Patrícia de Freitas Nerbas

Orientador: Beatriz Maria Fedrizz

Co-orientador: Carin Maria Schmitt

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Desenvolvimento sustentável; Habitação popular; Percepção ambiental; Planejamento urbano.

Resumo: O objetivo desta pesquisa é contribuir para o planejamento mais sustentável da paisagem de um loteamento popular, localizado no município de São Leopoldo, RS, a partir de análises e reflexões a cerca da percepção ambiental dos seus moradores. Visto que poucos usuários urbanos podem conviver com ambientes integrados a natureza, com melhor qualidade do ar, climática, estética, entre tantos outros benefícios que estes ambientes proporcionam a qualidade de vida. Para isso, foi necessário realizar pesquisa bibliográfica e levantamentos da realidade local. A escolha do estudo de caso no loteamento Bom Fim, seguiu critérios pré-estabelecidos, relacionados aos objetivos da pesquisa. A partir disso, foram identificadas necessidades e anseios sócioculturais da população local relacionadas aos espaços livres, públicos e privados do loteamento. Também foi necessário fazer o diagnóstico da situação física e legal da paisagem deste loteamento. Os resultados encontrados têm limitações devido às diferenças físicas e a diversidade sócio-cultural existentes nos loteamentos populares. Contudo, sabe-se que a proximidade dos agentes promotores de loteamentos no Município pesquisado, e as dificuldades econômicas dos moradores desses locais, sugerem uma padronização na execução desses assentamentos. Os resultados demonstram que é de suma importância, para o planejamento mais sustentável da paisagem de loteamentos populares: considerar as condições dos recursos naturais locais; potencializar as conformidades legais incidentes na área e estar em consonância com os anseios e as necessidades da comunidade local. As análises deste estudo indicam que muitos moradores valorizam as paisagens naturais, o lote com vegetação em quantidade e diversidade é o preferido para morar (94%) e a rua com árvores de sombra e flores é a preferida para viver (85%). Os resultados enfatizam a importância e as necessidades dos espaços naturais permearem por entre os ambientes construídos. Por isso, é necessário fomentar incentivos a preservação, a recuperação e a implantação de vegetação nas cidades. Sabe-se que a vivência em paisagens naturais, aproxima as pessoas das formas de sustentação da vida na Terra, sendo assim, a sociedade poderá exigir qualidade de vida de forma sistêmica, e não mais apenas sob a ótica individual.

Origem: Portal UFRGS – Repositório Digital LUME

Acesso pela nossa equipe em: 18 de nov. de 2010.

Anúncios