Título: Estrutura e espacialidade na obra de Mies van der Rohe

Autores: Emanuel Belisário da Cunha Sales

Orientador: Eline Maria Moura Pereira Caixeta

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Arquitetos; Distribuição espacial; Espaço arquitetônico; Estruturas; Mies van der Rohe, Ludwig, 1886-1969; Projeto arquitetônico; Sistemas estruturais; Tectônica.

Resumo: O presente trabalho trata da análise da estrutura e da espacialidade na obra de Mies van der Rohe. O objetivo é identificar sistemas e estratégias estruturais diversas ao longo do seu trabalho e entender sua relação com a evolução da concepção espacial de suas obras. Adotou-se como referência para esta análise dois períodos da carreira de Mies: o Período Europeu, de 1906 a 1938, e o Período Americano de 1938 a 1968, nos quais foram identificadas respectivamente quatro fases estruturais, conforme os sistemas estruturais e espaciais utilizados. A investigação centrou-se em quatro obras de referência do arquiteto: o Pavilhão de Barcelona (1928-29), o Crown Hall (1950), o Edifício Seagram (1954) e a Neuegalerie (1968). Compreendendo que o elemento poético da obra do arquiteto, aquele a partir do qual se articulam estrutura e espacialidade, é a tectônica, buscou-se analisar as convergências entre concepção espacial e estrutural e a tectônica destas obras. O resultado mostra que Mies van der Rohe, através de sessenta anos de ensaios e pesquisas estruturais e espaciais, consegue nas décadas de 1950-60 chegar à essência da sua obra: a estrutura como meio ordenador espacial do edifício.

Origem: Portal UFRGS – Repositório Digital LUME

Acesso pela nossa equipe em: 19 de out. de 2010.

Anúncios