Título: Estratégia e espaço sagrado. O Sagrado como estratégia da Companhia de Jesus na construção do espaço urbano da Vila de Nossa Senhora da Vitória

Autores: Luciene Pessoti de Souza

Orientador: Pedro de Almeida Vasconcelos

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Não disponivel.

Resumo: Esta pesquisa teve como objetivo principal investigar a participação da Igreja Católica na conformação dos núcleos urbanos coloniais. O objeto de estudo foi a Vila de Nossa Senhora da Vitória, sede da capitania do Espírito Santo, no período colonial, tendo como período de estudo o ano de 1535 até 1765, sendo o principal agente modelador de seu espaço urbano a Companhia de Jesus. Um dos temas do presente trabalho foi também a investigação da historiografia capixaba, para mensurar o papel da Igreja Católica, através da atuação dos jesuítas, na formação da sociedade, da estruturação da economia e da conformação da Vila da Vitória. Sob essa perspectiva, foi realizada  simultaneamente uma investigação de fontes primárias e secundárias sobre a historiografia do período colonial que versa sobre o Espírito Santo, com ênfase na formação e estruturação da Vila da Vitória, e uma análise dos estudos que recentemente buscam entender a lógica dos traçados urbanos coloniais do Brasil, em que a relatividade e a variedade das soluções e escolhas permitiu uma maior flexibilidade nos desenhos das cidades, em virtude das particularidades de cada lugar. A colonização foi abordada, então, em seus vários sentidos, considerados mais amplos do que meramente econômicos, mas também relevados os fatores socioculturais. Os três primeiros capítulos buscam apresentar, simultaneamente, a posição da Capitania do Espírito Santo no contexto político-econômico da colonização do Brasil; a importância do sagrado como estratégia para a posse e domínio dos territórios colonizados, bem como na formação de uma nova sociedade sob a égide da fé cristã, além de abordar as questões relativas às posturas teóricas e filosóficas defendidas no período em estudo sobre a propagação da fé cristã e sobre a universalização da cultura europeia e a participação de Portugal e dos Jesuítas na Contra Reforma; e a influência dos jesuítas na formação da Vila de Nossa Senhora da Vitória, de sua sociedade e na economia da Capitania do Espírito Santo. Os dois últimos capítulos versam, respectivamente, sobre o urbanismo colonial brasileiro, como subsídio para elaboração de uma reinterpretação morfológica do espaço urbano da Vila de Vitória e sobre a estratégia urbana jesuítica, ou seja, sobre a utilização de recursos formais e simbólicos da Companhia de Jesus na projetação e edificação de espaços das igrejas, aldeias e espaços públicos urbanos, com o objetivo de comover e convencer os habitantes do Brasil-Colônia em relação à conversão e à obediência às normas e dogmas da fé católica. Conclui-se, então, que a Igreja Católica foi uma poderosa aliada da Coroa Portuguesa na consolidação dos núcleos urbanos, e a participação dos jesuítas foi fundamental nesse processo, na medida em que viabilizou o projeto sociocultural da colonização do Brasil. Esse objetivo foi alcançado através de uma estratégia urbana que utilizava os elementos formais, estéticos e simbólicos do território, da paisagem, e da arquitetura e urbanismo para a construção de espaços de domínio, controle e expansão das atividades missionárias da Igreja Católica.

Origem: Portal PPGAU/ FAUFBA

Acesso pela nossa equipe em: 26 de nov. de 2010.

Anúncios