Título: Patrimônio imobiliário urbano da Santa Casa de Misericórdia da Bahia nos séculos XVIII, XIX e XX

Autores: Jealva Ávila Lins Fonseca

Orientador: Maria Helena O. Flexor

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Não disponivel.

Resumo: O estudo analisa o patrimônio imobiliário da Santa Casa de Misericórdia da Bahia entre os séculos XVIII e XX, identifica sua origem, localização, características arquitetônicas, estado de conservação, real ocupação e utilização, ao tempo que fornece elementos para uma releitura urbana da cidade do Salvador, através das relações que essa Instituição manteve com a sociedade e com os poderes públicos. O período de tempo abordado parte do inventário Tombamento dos Bens Imóveis da Santa Casa de Misericórdia da Bahia em 1862, que registra os imóveis adquiridos por essa Instituição entre 1700 e 1862. Além desse tombamento, o estudo examina mais três fontes: o Livro do Tombo, as Pastas de Escrituras e o Arquivo do Departamento Patrimonial, que possuem farta documentação (laudos de avaliação, plantas, fotografias etc.). O desenvolvimento do trabalho demonstrou que os imóveis são bastante diversificados quanto a aspecto físico, historicidade, localização e possibilidade de gerar recursos financeiros. Nesse conjunto, foram identificados terrenos, casas, sobrados, prédios, apartamentos, salas comerciais e fazendas que passaram a pertencer à Instituição através de doações, compras, permutas, pagamento de dívidas, entre outros. A utilização desses imóveis, bem como a relação existente entre a SCMB e os seus ocupantes, também foi distinta. Foram utilizados para fins comerciais, residenciais, institucionais e mistos, através de contratos de aluguéis formais ou verbais, comodatos, arrendamentos e aforamentos. Quanto à localização, verificou-se que grande número de imóveis está situado no antigo centro da cidade, especialmente nas freguesias da Sé e Conceição da Praia, locais de grande importância política e comercial, onde foram colocadas em prática importantes políticas de intervenções urbanas que marcaram o processo de modernização de Salvador, nos séculos XIX e XX. Por fim, verificou-se que o resgate, a preservação e a conservação desse patrimônio são de fundamental importância, não apenas por gerar recursos financeiros vitais à autossustentabilidade, mas por ser um elemento sempre presente ao longo da história da Instituição e da cidade do Salvador.

Origem: Portal PPGAU/ FAUFBA

Acesso pela nossa equipe em: 26 de nov. de 2010.

Anúncios