Título: Uma cidade em disputa: conflitos e tensões urbanas em Itabuna (1930-1948)

Autores: Philipemurillo Santana De Carvalho

Orientador: Carlos Zacarias Figuerôa de Sena Júnior

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Trabalhadores – Poder Público – Itabuna

Resumo: Itabuna é uma cidade situada no interior do sul da Bahia, cuja economia se pautou na exportação do cacau durante parte considerável do século XX. Entre 1900 e 1930, o município teve a chegada de diversos migrantes, oriundo do sertão da Bahia, de Sergipe e de Alagoas, atraídos quase sempre pela oportunidade de trabalho ofertada pela lavoura cacaueira. O fluxo de migrantes fez com que a população do município fosse superior a vinte mil habitantes em 1940. Ao passo que a cidade crescia em suas formas e demograficamente, houve também uma maior preocupação dos poderes públicos sobre a importância de se planejar as transformações pelas quais passavam a zona citadina. Este é um estudo sobre a política urbana desenvolvida pelos segmentos hegemônicos e sua relação com os trabalhadores durante as décadas de 1930 e 1940. Entre as décadas de 1930 e 1940, a prefeitura modificou sua política urbana, cuja preocupação se voltou para a constituição de uma cidade planejada para legitimar os valores de “progresso” e de “civilização” estabelecidos pela sociedade política dirigente. Para tanto, houve o patrocínio de diversas medidas de intervenção sobre o espaço e as práticas urbanas de Itabuna. Em 1935, o prefeito patrocinou a produção de um projeto de reformas urbanas criados pelo escritório Saturnino de Brito, com vistas a implantação do sistema de água e esgoto do município. Além disso, o projeto levava em consideração a realização de reformas urbanas em diversos logradouros públicos, com a retificação e alinhamento de ruas e avenidas, embelezamentos de praças e das margens do rio Cachoeira que corta o município. Os projetos de intervenção urbana foram acompanhados de alterações da estrutura do poder público. Em 1933, por exemplo, houve a criação da Guarda Municipal de Itabuna cuja função era fiscalizar as condutas dos munícipes e manter a ordem estabelecida pela prefeitura. Além disso, a diretoria de Higiene Pública passou a ter uma função mais intensiva, com a fiscalização sanitária das residências e dos estabelecimentos comerciais, bem como das feiras locais. Ambas as instituições tinham como referência jurídica o Código de Posturas do Município de Itabuna, revisado e ampliado também em 1933. Apesar dos esforços do poder público por intervir na cidade e fiscalizar as práticas urbanas dos habitantes, nem sempre os trabalhadores de Itabuna se mostraram submissos à ordem estabelecida pelos segmentos hegemônicos. No intuito de garantir costumes e interesses comuns dos pobres, alguns grupos de trabalhadores conseguiram criar táticas para bular o controle da prefeitura e garantir o uso urbano dos “de baixo”, gerando um campo de tensões e conflitos na cidade. O objetivo central deste trabalho é analisar as relações entre os trabalhadores e o poder público durante a urbanização de Itabuna entre as décadas de 1930 e 1940.

Origem: Portal do Mestrado em História Regional e Local/ UNEB

Acesso pela nossa equipe em: 25 de nov. de 2010.

Anúncios