Título: Urbanismo paramétrico: parametrizando urbanidade

Autores: Robson Canuto da Silva

Orientador: Luiz Manuel do Eirado Amorim

Categoria: Dissertação

Palavras-chave: Urbanismo paramétrico, Desenho urbano, Sintaxe espacial

Resumo: A dissertação trata de uma nova corrente de desenho urbano – o urbanismo paramétrico – que surgiu no âmbito da prática do escritório Zaha Hadid Architects e no ambiente acadêmico da Architectural Association School. O urbanismo paramétrico se fundamenta essencialmente nos sistemas de desenho paramétrico, nos quais os parâmetros do modelo digital é que são declarados e não a sua forma, ou seja, o foco de interesse não é a forma em si, mas os parâmetros que a geram. Essas ferramentas, desenvolvidas originalmente, na indústria aeroespacial e automotiva, vêm apresentando um forte impacto nos processos de projeto arquitetônico, especialmente por aprimorar o desenho de componentes do edifício. Nos últimos anos, técnicas e tecnologias de desenho paramétrico vêm sendo, paulatina e deliberadamente, transladadas para o urbanismo, isto é, para o desenho urbano de larga escala, sob o argumento de que os sistemas paramétricos possibilitam gerar, rapidamente, diferentes alternativas de desenho a partir da simples alteração de valores de um parâmetro particular, permitindo a geração de diferentes modelos para serem posteriormente avaliados, facilitando, assim, a tomada de decisão durante o processo de criação. Todavia, verifica-se que, apesar das potencialidades oferecidas para aumentar a eficiência e qualidade das propostas de projeto urbano, o urbanismo paramétrico emprega apenas estratégias de morfogênese digital, de mistura de usos e de densidade para criar vida urbana. Este novo modelo de urbanismo explora apenas parâmetros de natureza formal, ambiental e funcional para constituir espaços urbanos vibrantes. Embora densidade e mistura de atividades sejam importantes atributos da vida urbana, não são os primordiais. Teorias urbanas recentes, propostas por Bill Hillier e Julienne Hanson, têm argumentado que a configuração espacial dos grids urbanos determina padrões de movimento (movimento natural) através do espaço, independente de atratores. Parâmetros de configuração do espaço, ignorados pelo urbanismo paramétrico, são fundamentais para o entendimento das dinâmicas urbanas, bem como para a proposição de novas formas urbanas. Assim sendo, são propostas alternativas de aperfeiçoamento do modelo a partir da introdução de parâmetros de configuração espacial, fundamentados nos paradigmas de urbanidade e de formalidade, formulados por Frederico de Holanda. Holanda desenvolveu uma metodologia para aferição do grau de urbanidade das porções urbanas, a Medida de Urbanidade (URB), que varia entre 1 (nível de máxima formalidade) e 5 (nível de máxima urbanidade). As variáveis espaciais empregadas por Holanda podem ser facilmente convertidas em parâmetros manipuláveis computacionalmente de modo a facilitar sua introdução em uma metodologia de projeto urbano paramétrico, visando à proposição de layouts urbanos mais eficientes, no sentido de poder melhor suportar uma relação integral entre a ocupação (a partir da definição de locais ideais para diferentes atividades) e os movimentos de pedestres, a fim de garantir a animação de áreas urbanas. Entende-se que, criar vida urbana é um problema especial de desenho da configuração espacial e argumenta-se: urbanidade é parametrizável e pode ser utilizada como critério de desempenho desde a fase inicial do processo de desenho urbano, a fim de criar um campo potencial para estabelecer espaços urbanos ativos. O método desenvolvido por Frederico de Holanda foi parametrizado e, com isso, construiu-se um novo modelo de desenho urbano paramétrico em função da vida urbana.

Origem: Portal TEDE UFPE

Acesso pela nossa equipe em: 18 de abril de 2011.

Anúncios